O Clã das Tartarugas

DESCRIÇÃO DA TARTARUGA

A tartaruga é um réptil exclusivo de água marinha ou doce. Com o casco mais achatado e patas com aspecto de nadadeiras, além de serem carnívoras. O cágado é um animal que vive grande parte do tempo debaixo d’água ou próximo dela, mas se diferencia por poder viver na parte terrestre também, com um tamanho bem inferior. O jabuti é uma espécie exclusivamente terrestre, com um casco convexo, bem arqueado e pernas grossas que parecem a miniatura de patas de elefantes, diferente de seus amigos não se arrisca a nadar, pois depois de algum tempo acaba afundando.

As tartarugas são pertencentes à classe dos répteis e compreendem à ordem dos Quelônios (gr.: chelone, tartaruga). Mais de trezentas espécies de tartarugas podem ser encontradas em todo o mundo. Exemplos: tartarugas (mar), jabutis (terra) e cágados(água doce).

As tartarugas marinhas são animais aquáticos, subdivididos em duas famílias: a Cheloniidae e Dermochelyidae. Nesta, encontramos uma única espécie: a tartaruga de couro (Dermochelys coriacea), nome este que se refere à presença de tecido semelhante a couro, ao invés de carapaça coberta por placas. Já na Família Cheloniidae, encontramos animais com tal escudo protetor, com essas caraterísticas, sendo eles: tartaruga de pente (Eretmochelys imbricata), aruanã (Chelonia mydas), oliva (Lepidochelys olivacea), cabeçuda (Caretta caretta), tartaruga-flatback (Natator depressus) e kemps ridley (Lepidochelys kempii). Todas elas, exceto as duas últimas, são encontradas no Brasil.

Machos e fêmeas são muito semelhantes entre si, podendo ser diferenciados, a olho nu, somente na fase adulta: momento este em que os machos apresentam rabo e unhas bastante desenvolvidos. A maioria destes animais é onívora, embora algumas consumam unicamente alimentos de origem animal.

São seres migratórios, retornando à praia onde nasceram na época de reprodução, a fim de depositar ali seus ovos. No litoral, este período perdura os meses de setembro a março; e nas ilhas oceânicas, de janeiro a junho: local e época em que a aruanã desova. Aproximadamente dois meses depois, os ovos começam a eclodir; e os filhotes saem de seus ninhos em direção à água. A tartaruga oliva atinge a maturidade sexual entre os dez e quinze anos; enquanto as demais, por volta dos vinte a trinta anos de vida.

Apesar de uma única tartaruga ser capaz de depositar um grande número de ovos, somente 0,1% dos filhotes conquistarão a vida adulta. Nos primeiros momentos de sua vida, já estão sujeitos à predação por aves, lagartos e caranguejos; e também por animais carnívoros encontrados no mar. Quando adultos, podem ser capturados por seres humanos, visando à utilização de sua carne e ovos na alimentação; e sua carapaça na confecção de artefatos. Indiretamente, a poluição, destruição de hábitats, acúmulo de material plástico no mar, pesca acidental, dentre outros fatores, são responsáveis pela morte de tais animais, elucidando o porquê de todas as espécies terem suas populações em declínio.

Observe abaixo o status de conservação de cada uma, segundo a IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais):

Dermochelys coriacea - criticamente ameaçada

Eretmochelys imbricata – criticamente ameaçada

Chelonia mydas - em perigo

Lepidochelys olivacea - vulnerável

Caretta caretta – em perigo

Natator depressus – dados insuficientes

Lepidochelys kempii – criticamente ameaçada

Uma notícia positiva é que, desde 1980, existe o Programa Brasileiro de Conservação das Tartarugas Marinhas, também conhecido por Tamar, vinculado à Diretoria de Biodiversidade do Instituto Chico Mendes da Biodiversidade-ICMBio, responsável pelo estudo e conservação destas espécies.

A luta e conquista de áreas prioritárias para a conservação e medidas efetivas para garantir a qualidade dos ambientes em que estas espécies estão relacionadas, ajudam também na proteção a outras formas de vida que coexistem com as tartarugas marinhas.

Fonte : Mariana Araguaia-Bióloga




A tartaruga é um dos símbolos mais antigos representativos da Mãe Terra, significando nutrição, proteção, e também a cura que carregamos em nosso interior. A tartaruga nos recorda de que a conexão com a Grande Mãe está no dar e receber, na reciprocidade e somente assim podemos entender o verdadeiro significado da criação e da conexão.

O casco da tartaruga carrega o simbolismo dos treze clãs maternos originais, a conexão Terra-Lua, as treze luas, a água, a terra, a associação ao feminino.


Os Chippewa, Cree, Iroquois, por exemplo, referem-se ao continente norte-americano como a "Ilha Tartaruga". Eles observaram que o casco rígido protegia um ser, e associaram à Terra como um organismo vivo que protege todos os seres que nela vivem. Para os maias, o cinturão de Orion era visto como uma tartaruga cósmica. Na arqueologia maia encontramos a casa das tartarugas em Uxmal. A tartaruga era associada à água e ao deus da chuva.


A medicina da tartaruga: poder de cura do feminino, desenvolvimento de novas idéias, conexão com a terra e a água, honrar a Mãe Terra, fonte curadora, focalizar pensamentos e ações, tenacidade, defesa, respeitar nossos próprios limites, amadurecimento, paciência.

Conta uma lenda Chippewa que quando o mundo foi feito, o Grande Espírito solicitou ajuda a todos os animais. A etapa final da criação era encontrar alguém que ajudasse a manter a Terra no lugar. A tartaruga foi a última a se apresentar, oferecendo seus serviços, pois acreditava que era muito velha e muito lenta para tal função, porém, seu casco forte era o único capaz de suportar tal tarefa.

Fonte : terramistica.com.br




Os chineses já estudavam a Natureza e buscavam significados para tudo que se relacionasse a ela. Para eles, a tartaruga, pela sua carapaça, redonda como o céu na parte superior – o que a torna semelhante a uma cúpula – e plana como a terra na parte inferior, é uma representação do Universo: constitui-se por si mesma numa cosmografia e como tal aparece no Extremo Oriente, entre os chineses e japoneses.

Os clássicos chineses insistem na sua função estabilizadora.

No plano estritamente antropocêntrico a tartaruga apresenta um simbolismo ao mesmo tempo feminino e masculino.

Observando uma tartaruga negra gigante que saía do Rio Amarelo, há muitos séculos atrás, mais ou menos 5.000 anos, um sábio imperador chinês chamado Fu Hsi intuiu que o Tao (a Realidade última de todas as coisas) é como um quadrado sem pontas.

Quando ele se aproximou, viu com admiração que em seu casco havia o desenho de um quadrado perfeito com nove divisões iguais. Ora, o casco de uma tartaruga possui as bordas ovaladas, portanto, podendo associar-se a um quadrado sem pontas, como escreve Lao Tsé em seu Livro das Virtudes.

Dessa comparação nasceu o Ba-guá, que significa oito lados, com cada lado correspondendo a um trigrama e seu centro ao Yin e Yang em equilíbrio, Ming Tang.

Tradicionalmente, a melhor definição de Yin e Yang são os dois lados de uma montanha que em determinadas horas do dia um lado é banhado pela luz solar (lado Yang) e o outro lado está na sombra (lado Yin). Com o decorrer das horas a posição se inverte: o lado Yin fica ensolarado,Yang, e o lado Yang se torna sombreado, Yin. Na vida, as situações também têm essa alternância.

O trigrama é formado por três linhas, que se escrevem de baixo para cima. As linhas básicas são duas: a linha YIN, representada pelo escuro, e a linha YANG, representada pelo claro.

Fonte : Stela Vecchi é escritora e consultora de Feng Shui.




A Tartaruga é o puro contato com a mãe Terra, boa relação com o tempo, sensação de vida eterna, paciência, compreensão, capacidade de se entregar a longas jornadas.



O Clã das Tartarugas:

O Clã da Tartaruga representa a Terra. Quando se encontra nesta posição, você aprende sobre os poderes sólidos, criadores, fortalecedores do mais denso dos elementos. Da terra cujos grãos um a um parecem tão delicados é que são formados as montanhas e os arranha-céus.

Devido a sua associação com o Elemento Terra, o Clã das Tartarugas é o mais denso, estável e lento dos clãs elementais. As pessoas influenciadas por este clã são estáveis, práticas, com os pés no chão, perseverantes, firmes, deliberadas em suas ações, e discernentes em seus pontos de vista. As pessoas do Clã das Tartarugas são muito bem organizadas e podem prover a fundação para qualquer empreendimento. São cautelosas ao se expressar, exceto sobre pontos de vista nos quais acreditam plenamente. São muito bons para defender seja o que for que estiverem ajudando você a construir. São pessoas muito práticas, seguras e especialistas em cuidar da terra, minerais, plantas, animais e outros seres humanos.

O Povo das Tartarugas sente uma grande afinidade com o Elemento Terra, bem como a Mãe Terra. Frequentemente eles gostam de sentir a energia da terra, seja passando suas mãos sobre ela, pisando nela com pés descalços ou sentado nela.

Porque o Elemento Terra é lento para se mexer, pessoas que entram na posição do Clã das Tartarugas, frequentemente tem a tendência de ficar nessa posição mesmo que seja tempo para saírem dela para crescer. Se as pessoas criarem raízes na posição do Clã das Tartarugas, podem tornarem-se frias, limitadas ou frígidas, bloqueadas, insensíveis, fechadas, inflexíveis e de mente estreita na maneira de ver a vida à sua volta. Podem também se tornar manipuladores, maliciosos e excepcionalmente teimosos. Pessoas do Clã das Tartarugas que ficam encalhadas, tem a tendência de se martirizar por qualquer coisa que tenham construído.

Se você encontrar-se expressando qualquer uma das tendências descritas acima, seja positiva ou negativa, é bom olhar para o que quer que esteja se enraizando. Se for este o caso, é tempo de viajar para uma posição diferente na roda sob a influência de outro clã elemental.

Se, pelo contrário, você se sentir muito aéreo e sem raízes, é bom se dirigir para este clã onde poderá aprender sobre crescimento sólido e um bom senso de conexão com a energia da Terra. Esta é a pedra para procurar se você estiver desejando orientar-se mais para a terra, estiver mais apto a ajudá-la de qualquer forma que puder. Este é o lugar onde poderá aprender sobre o verdadeiro sentido de lealdade para com a Terra e todas as suas relações.

Pessoas sob esta influência podem estar entre indivíduos mais apoiadores, encorajadores, amigáveis, e positivos que você poderá encontrar. São verdadeiramente compassivos e tem o dom de dar e ensinar o seu amor pela terra.

Trabalhar com a Tartaruga ajudará a conectar-se e a honrar o poderoso Elemento Terra. As tartarugas podem ensinar como se preocupar consigo mesmo e com toda a vida, assim como você se preocuparia com a pessoa que mais ama.

A Tartaruga é uma criatura da água, assim como da terra, e é nadando em seu casco que ela olha o amanhecer. A tartaruga é a solidez - seu duro casco protetor provê calor, conforto e segurança. A tartaruga pode parecer de movimentos lentos, mas é persistente e tenaz quando vai para frente.

Fonte: xamanismo.com.br





A Tartaruga conhece a sua essência:
(de Marilene Pitta -Terapeuta Holística e Contadora de Histórias Mestre em Educação e Desenvolvimento Humano)


Quando a TARTARUGA cansada chegou no lugar dos ancestrais, ela estava cheia de calor, de um sol abrasador...Era tanto calor que os pingos mostravam o seu rastro, os pezinhos pequenos de tanto andar e nadar...Os pingos mostravam que ela sabia o caminho sagrado,o caminho de volta para casa, a casa do coração.E o coração de TARTARUGA é muitão diferente do coração das pessoas., ele é feito de bondade, de compaixão, de ternura e de paciência.Ih!! Que diferença de nós!

Acho mesmo que é tempo da gente aprender a lição da TARTARUGA (mas isso é conto para outro conto de outra história, de outro lugar, de outro mar).

Voltando...Voltando...Voltando...

Como andou essa TARTARUGA para encontrar uma sacola de talismãs que ela tinha sonhado numa noite de lua dos lobos solitários.

Você sabia? A noite é amiga da sombra, daquilo que está escondido debaixo dos tapetes da vida. A gente vai jogando raiva na poeira do tapete, fazendo de conta que não sente, e vai jogando e vai jogando...Lá vai o medo...embaixo do tapete ele fica queitinho, encolhido, qualquer deslize: pimba!! Ele volta com toda força do furacão.E a gente fazendo de conta que não sente,

Êpa! É hora da inveja. A danada chega de mansinho e se instala com todo conforto e aos poucos corrói a nossa alma. E a gente vai jogando tudo no tapete mofado, cheio de poeira, velho e triste de tnnto entupimento. Muita sujeirada!

É tanta sujeira de tanto não, de tanto fingir que não sente: raiva, inveja, medo, orgulho, insegurança que o listão vai engordando e a gente ficando comilona, dorminhoca, preguiçosa, gordona e tristona e chorona e briguenta.
Pois bem, foi nesse negrume de escuridão que o LOBO SOLITÁRIO deu para nossa TARTARUGA o segredo dos segredos das pessoas - a turma do faz de conta que não sente.

Ela tomou um susto! Um sustão como um raio! E foi tão grande, tão grande que tudo se iluminou com a força do raio. Diga-se de passagem, que o tudo mesmo, era a sujeirada...LOBO SOLITÁRIO vendo aquela cena correu igual ao raio e sumiu na noite sombria dos lugares esquecidos.

Então, ficou tudo esparramado no chão: pedaço de orgulho, ponta de medo, fragmento de inveja, poça de raiva e ainda um punhado de insegurança. Parecia brinquedo que a criança esqueceu de guardar. Mas, daquele jeito, pensou a TARTARUGA : não vale a pena esses guardados. Olhou o raio que deu um berro numa nuvem passageira, a coitada se derreteu e choveu logo, logo. A chuva foi caindo de fininho e apagando tudo. Só se via a sujeira indo embora para o reino das águas profundas para nunca mais voltar.

A TARTARUGA olhou a MÃE NATUREZA e pensou com o pensamento do coração encantado: quando chega o tempo de acabar com as histórias é tempo de terminar. Não tem jeitinho o fio do destino é cortado e pronto. Aí, pode até começar outra história, mas é outro começo, outra trama, outro enredo, outras pessoas.

Assim é a vida. Vou nadar um pouco nas águas do mar, do meu mar, no meu lar. Ela foi mergulhando toda delicada, flutuando, leve e solta. Dava um cambalhota de alegria, boiava de compaixão, solta de paz infinita e bela.

Ela era ela..

Nenhum comentário:

Postar um comentário